Home»Arte»Ficção revisita a ‘década perdida’

Ficção revisita a ‘década perdida’

10
Shares
Pinterest Google+

Flashback

 

Ficção revisita a

década perdida

Jornalista, Luiz Galvão lança livro que recupera fragmentos da década de 1980, do século 20

 

Renato Dias

 

Um flashback dos anos 80 no Brasil. A década perdida. Os últimos suspiros de uma noite que durou 21 anos. As diretas já levam milhões às ruas. A da ditadura civil e militar. General-presidente, João Baptista de Oliveira Figueiredo, o inquilino do Palácio do Planalto que preferia o cheiro do cavalo ao odor do suor dos trabalhadores, amante de Miriam Abicayr, não transfere a faixa a José Ribamar Sarney. O autor de Marimbondos de Fogo. O rock nacional explode. Legião Urbana, Plebe Rude, Paralamas do Sucesso. O advento da Aids. Morre Cazuza. Adeus a Chico Mendes. Executado a sangue frio em 22 de dezembro de 1988. O PT e a CUT crescem.

Renato Russo
Renato Russo

Jornalista, Luiz Galvão inspira – se naqueles tempos loucos para construir uma narrativa ficcional. Inventiva. O produto final, em alto estilo, é o livro ‘Anos 80 – A História de uma amizade na década perdida’. Editora Kelps. Com 123 páginas. O prefácio é do jornalista da Tv Anhanguera, o global Handerson Panciere. Com dez capítulos. Até 1989. O ano da queda do Muro de Berlim, Alemanha, em 9 de novembro. O fim das utopias e do socialismo realmente existente. O lançamento, online, virtual ocorrerá no próximo dia 29 de março. Nas redes sociais do ‘periodista’. De raro talento. Um dos expoentes da nova geração de escritores.

Cazuza
Cazuza

Luiz Galvão revela a www.renatodias.online que é a sua primeira aventura estética e literária. Com um romance. No mercado editorial. Ele conta ser graduado em Comunicação Social, pela Universidade do Tocantins [Unitins]. Mais: servidor público, da Agência da Guarda Civil Metropolitana de Goiânia, no cargo de GCM II. Com experiência na área de Comunicação. Ênfase em Jornalismo Especializado Comunitário, Rural, Empresarial, Científico. Além de especialista em Gênero e Diversidade na Escola [GDE], pela Universidade Federal de Goiás (UFG) – Regional Catalão – Polo Aparecida de Goiânia. Ele tem  curso de extensão universitária em Prevenção ao Uso Indevido de Drogas – Curso de Capacitação para Conselheiros Municipais

Previous post

Liberdade imediata para Rodrigo Pilha

Next post

Democracia sitiada? Racionalmente não, irracionalmente sim

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *