Home»PodCast»Luiz Felipe vê capital com olhos de Harvey e Trotski

Luiz Felipe vê capital com olhos de Harvey e Trotski

1
Shares
Pinterest Google+

Desconstrução de narrativa

Luiz Felipe vê capital com

olhos de Harvey e Trotski

Arquiteto e urbanista explica como o Capital se apodera das cidades nas periferias do capitalismo, como Brasil, Goiás e Goiânia, sem consolidar o direito inalienável à  moradia

 

‘A cidade e a propriedade

devem exercer funções sociais

Luiz Felipe          

Arquiteto e urbanista trotskista

Podcast

 

Renato Dias

Com referência em David Harvey, ícone da Geografia Humana Contemporânea, fundada no materialismo histórico e dialético de Karl Marx [1818-1883], conceitos que desmontam a narrativa neoliberal, hegemônica sob o Brasil de Jair Bolsonaro, e nas ideias de Liev Davidovich Bronstein, ‘nom de guerre’ Leon Trotsky  [1879-1940], líder da revolução de 25 de outubro ou 7 de novembro de 1917, o arquiteto e urbanista Luiz Felipe, indicado vice do Psol [Partido Socialismo e Liberdade], na eleição à Prefeitura de Goiânia, em 15 de novembro de 2020, quer a reinvenção da cidade. Fundada em 1933. Por Pedro Ludovico Teixeira. Interventor de Getúlio Vargas. Pós-revolução de outubro. De 1930. Marcada por desigualdades econômicas e sociais. Heranças do escravismo colonial. Da cultura patrimonialista. Com restos da ditadura de 1964.

_ Civil e militar. Uma noite que durou 21 anos.

Karl Marx –

David Harvey

ditadura civil e militar de 1964
ditadura civil e militar de 1964

Criada em 2004, por dissidentes à esquerda do PT, como Luciana Genro [RS] e João Machado [SP], a legenda, de esquerda no espectro político nacional, lança, ao Paço Municipal, a professora Hemanuelle Jacob. Uma trotskista antirracista, feminista, antifascista, socialista. O projeto é obter capilaridade social, chegar ao segundo turno das eleições e conquistar, pela primeira vez, na Capital, as eleições. Com uma expressiva bancada na Câmara Municipal. Para garantir a sustentabilidade da gestão, que caso seja eleita, será marcada por reformas e revoluções. Tanto na área política, quanto administrativa, assim como social, econômica e cultural. O Psol projeta ganhar as eleições à Prefeitura de São Paulo. A maior metrópole. Da América Latina. Centro nevrálgico do capitalismo tardio e dependente do Brasil continental.

_ Com Guilherme Boulos e Luiza Erundina.

Guilherme Boulos e Luiza Erundina
Guilherme Boulos e Luiza Erundina

É preciso desconstruir a narrativa oficial, informa. Como a arquitetura Art Déco de Goiânia, pontua. Attílio Correia Lima, em Paris, manteve contato com o modernismo de Le Corbisier, ele explica. Goiânia seria o novo e a modernidade, produto da Marcha Para o Oeste, frisa. A cidade é marcada, desde o início, pela relação promíscua entre o público e o privado, dispara. Com o loteamento para a especulação imobiliária, insiste. Iris Rezende faz parte do projeto, subli­nha. É a exclusão da população de baixa renda, além do processo de urbanização com a fina­lidade de beneficiar o mercado imobiliário, diz. Uma relação entre a expansão das perife­rias e a criação de vazios urbanos, destaca. A terra, a área urbana, conferida pela Constituição Federal, a Carta Magna, promulgada em 5 de outubro de 1988, possui uma função social, atira.

_ O legado de Leon Trotski, 80 anos após a sua morte, é o da revolução permanente, da democracia, e admiro as ideias do socialismo emancipatório e internacionalista de Ernest Mandel, marxista belga. De linhagem trotskista.

Leon Trotski
Leon Trotski

Ernest Mandel
Ernest Mandel

Saiba mais

Números

2004

Ano de

fundação

do Psol

15

De novembro.

Primeiro turno.

Das eleições

29

De novembro.

Segundo turno.

Das eleições

29

Anos. É a

idade de

Luiz Felipe

Símbolo da Quarta Internacional

A Internacional

Previous post

O que resta da ditadura? Vozes do silêncio lança campanha

Next post

O que resta da ditadura?

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *