Home»Cinema»Violência do Estado Soco no estômago

Violência do Estado Soco no estômago

0
Shares
Pinterest Google+

E X C L U S I V O

Doc _ 21 min

 

Violência do Estado

Soco no estômago

Luto para nós é verbo registra o muro das lamentações de mães, pais e das lutas por condenações de policiais militares e civis acusados de execuções extrajudiciais. Sumárias

   

Renato Dias

 Andrew Carvalho foi morto por agentes do Estado. Quando? Em 1º de janeiro do ano de 2008. O aparelho policial, como determina a Constituição Federal, promulgada em 5 de outubro de 1988, deveria protegê-lo. O choro é de sua mãe Deise Carvalho.

 

Rafael da Silva Cunha morreu. Uma execução extrajudicial. A  sangue frio. Data: 5 de dezembro de 2006. A informação é repassada, em tom de tristeza, por sua genitora, Mônica Cunha. Membros da Polícia Civil, os acusados pelo crime. Sem castigo.

 

Alex Cavalcante. O jovem obteve o mesmo destino. A história é narrada por Edna Cavalcante. A sua mãe. Sempre. De excluídos. Negros. Das periferias. Do Rio de Janeiro, São Paulo e nas capitais do Brasil. Um País de dimensões continentais. Trágico. Triste.

 

Mapa da violência

Estatísticas apontam que, apenas no ano de 2017, 5.144 pessoas foram mortas por policiais militares ou civis. As chacinas se repetem. Repetem. Repetem. Candelária, julho de 1993, oito meninos em situação de rua. Vigário Geral, 29 de agosto de 1993, 21 cadáveres.

 

A do Borel. Ano: 2003. Favela do Barbante, cinco mortos. Quando? Em 25 de junho de 2009. Crime hediondo. Mais: em julho de 2009. Na Vila Vintém, com 19 mortos. Escravismo colonial, ditadura civil e militar, banda podre, violência do Estado e milícias. Brasil 2020.

 

Natasha Neri
Natasha Neri

 

É o documentário Luto para nós é verbo. Da jornalista, mestre em Antropologia, escritora e cineasta Natasha Neri. Duração: 21 minutos. Produção da Conecta Direitos Humanos. Em exi­bi­ção na Mostra Elas Fazem Cinema. De setembro de 2020. GECI. Projeto de Extensão da UFG.

 

_ Sob a coordenação da doutora da Faculdade de História da UFG,  Alcilene Cavalcante.

Alcilene Cavalcante
Alcilene Cavalcante

Alcilene Cavalcante
Alcilene Cavalcante

 

Previous post

João Garoto & Grace Venturini

Next post

Vila Nova enfrenta Treze

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *